Presidente da Usiminas destaca bons resultados da empresa em live com imprensa do Vale do Aço

12/05/21

Sergio Leite comentou os avanços operacionais, sociais e ambientais da companhia

Nesta quarta-feira, 12 de maio, o presidente da Usiminas, Sergio Leite, participou de um encontro online com os jornalistas do Vale do Aço e reforçou os bons resultados conquistados pela empresa nos últimos meses. A companhia divulgou recentemente os números do primeiro trimestre do ano, quando registrou recordes como Ebitda Ajustado Consolidado de R$ 2,4 bilhões e lucro líquido no período de R$ 1,2 bi, além de vendas de 1,25 milhão de toneladas de aço, o maior volume registrado desde o segundo trimestre de 2015.

Sergio Leite comentou sobre o planejamento estratégico que a companhia vem desenvolvendo com vistas ao médio e longo prazo. Com o mote “O que queremos ser em 2030”, o executivo abordou as ações que a empresa está planejando para conseguir manter a perenidade e traçar novas metas para os próximos 10 anos.

A questão da pandemia do novo coronavírus e a forma como a Usiminas atuou para seguir conectada às comunidades nas quais está inserida e apoiar as pessoas impactadas também ganhou destaque, principalmente com ações sociais como a doação de oxigênio para o Hospital Municipal de Ipatinga e todo trabalho desenvolvido pela Fundação São Francisco Xavier e pelo Instituto Usiminas, braços de atuação da companhia nas áreas de Saúde, Educação, Cultura e Esporte.

O executivo falou ainda sobre os planos de investimentos da empresa – que este ano prevê mais de R$ 1,5 bilhão – e a consequente geração de emprego e renda para a população do Vale do Aço, principalmente com o retorno da operação do alto-forno 2, prevista para o próximo mês de junho, e a reforma do alto-forno 3, planejada para 2022.

Sergio destacou, também, os compromissos sociais e ambientais assumidos pela Usiminas e os avanços conquistados pela empresa, como a melhoria na percepção das comunidades vizinhas às operações da Usina de Ipatinga em relação à emissão de particulado.

O Estudo de Percepção da População de Incômodo Causado Pelas Partículas Sedimentáveis mostrou que, em cerca de um ano, o índice de pessoas que afirmam que a emissão está diminuindo subiu de 18% para 37%, e as que consideram que está aumentando caiu de 49% para 27%.

Segundo o presidente, a Usiminas segue em seu compromisso de cuidar do planeta, das pessoas e garantir um bom legado às próximas gerações. Na última divulgação de resultados, a empresa apresentou suas metas ESG (Ambiental, Social e Governança), que envolvem temas fundamentais para o futuro como inovação, diversidade, redução de poluentes e segurança.

O presidente da empresa também falou sobre outros assuntos importantes para a região como a instalação do Centro de Memória Usiminas no prédio que abrigou o Grande Hotel de Ipatinga e sobre a meta estipulada pela empresa para contar com 10% de mulheres trabalhando na área operacional até o final do ano que vem, conforme sua política de Diversidade e Inclusão.

Sergio disse estar confiante com a recuperação econômica do país e já vê avanços, apesar de ainda estar aquém do esperado. Para o executivo, o consumo de aço está diretamente ligado ao crescimento do Produto Interno Bruto do país.

“A perspectiva para o Brasil é de crescimento. O consumo de aço e o crescimento do Brasil andam juntos, assim, a expectativa é positiva para os próximos trimestres. Com o Brasil crescendo, nós vamos crescer junto com o país”, avaliou Sergio.

 
Segunda etapa da vacinação contra a gripe

12/05/21

Doses são destinadas a idosos com mais de 60 anos e professores

Começou nesta terça-feira-11 a segunda etapa da Campanha Nacional de Vacinação contra a gripe que vai até o dia 8 de junho. Desta vez, o público-alvo são idosos com mais de 60 anos e professores. A estimativa é vacinar cerca de 33 milhões de pessoas nesta etapa.

Já a terceira fase, que acontecerá entre 9 de junho e 9 de julho, deve abranger cerca de 22 milhões de pessoas. As doses serão destinadas a integrantes das Forças Armadas; pessoas com comorbidades; caminhoneiros; trabalhadores de transporte coletivo rodoviário; entre outros.

Promovida pelo Ministério da Saúde em todo o território nacional, a campanha teve início no dia 12 de abril, focada na vacinação de crianças, povos indígenas, trabalhadores da área da saúde e gestantes. De acordo com o vacinômetro da campanha, já foram aplicadas quase 7 milhões de doses. Mas atenção, pessoas que recentemente tomaram a primeira ou a segunda dose da vacina contra a Covid-19 devem esperar pelo menos 14 dias para tomar o imunizante contra a gripe.

 
Ministério da Saúde interrompe vacinação de gestantes com AstraZeneca

12/05/21

O Ministério da Saúde suspendeu a vacinação de gestantes no país com o imunizante da AstraZeneca contra a Covid-19. A interrupção da aplicação de doses neste grupo, com esse produto, ocorre após a morte de uma grávida que foi vacinada, mas ainda não há evidência de que a causa do óbito esteja relacionada ao imunizante.

A recomendação da suspensão veio da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa), que ressaltou que a medida é uma precaução e tem como base a “insuficiência de dados relacionados à segurança de uso por gestantes disponíveis até o momento”. O órgão também pontua que mantém a recomendação de continuidade da vacinação com o imunizante da AstraZeneca para os outros grupos, já que os benefícios superam os riscos até o momento.
A própria fabricante da vacina de Oxford/AstraZeneca notificou a Anvisa sobre a “suspeita de evento adverso grave”, quando uma gestante de 35 anos imunizada com o produto morreu devido à trombose. A agência avaliou que, apesar de grave e potencialmente fatal, a ocorrência é extremamente rara.

Em coletiva realizada pelo Ministério da Saúde, o professor titular da Universidade de São Paulo (USP) e diretor do Laboratório de Imunologia do Incor, Jorge Kalil, pontuou que ainda não está claro que a vacina tenha sido a causa da trombose. “Estamos examinando detalhes de todo o prontuário para que a gente chegue a uma conclusão e esclareça a todos. Por isso mesmo que estamos esperando exames para orientarmos de uma forma tranquila.”

O ministro da Saúde, Marcelo Queiroga, lamento o falecimento da gestante e esclareceu que grávidas que não têm comorbidades não deverão ser imunizadas neste momento, e que aquelas que já tomaram a primeira dose devem aguardar um novo comunicado da pasta. Uma nota técnica deverá ser divulgada até o fim da semana.

“A decisão do ministério é circunscrever a vacinação das gestantes apenas àquelas que têm comorbidades e restringir, neste momento, por uma questão de cautela a dois imunizantes, à vacina da Pfizer e à vacina CoronaVac”, disse Marcelo Queiroga. Também há expectativa de um comunicado da Organização Mundial da Saúde (OMS) sobre a imunização de gestantes. 
A vacinação de grávidas no Brasil começou após uma percepção do Ministério da Saúde de um aumento do número de mortes por Covid-19 dentro deste grupo, o que resultou em um cenário em que os benefícios superavam os riscos da imunização, segundo os especialistas da pasta.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 1 de 185