Banner
Beatlemania


Legado - Evolução musical – Parte 2

Utilizando técnicas de estúdio como efeitos sonoros, colocações não-convencionais de microfone e outros instrumentos, loops em teipes, técnicas de double tracking e variações de velocidade em áudios, os Beatles começaram a aumentar as gravações onde seus intrumentos eram utilizados de maneiras que não as convencionais e suas músicas inovaram o rock da época e das outras gerações.

Isso inclui conjuntos de bronze e corda, assim como instrumentos indianos como o sitar em “Norwegian Wood (This Bird Has Flown)” e o swarmandel em “Strawberry Fields Forever”. Eles também utilizaram precocemente instrumentos eletrônicos, como o mellotron, que McCartney implentou junto com as vozes de flauta na introdução de “Strawberry Fields Forever”, e o clavioline, teclado eletrônico que criou um som não-usual em “Baby You’re a Rich Man”.

Começando com a utilização de um quarteto de cordas - organizada por Martin com a ajuda de McCartney - em “Yesterday” (1965), os Beatles foram pioneiros em atualizar o gênero art music e mostrá-lo de forma moderna, exemplificados em duplo-quarteto de cordas em “Eleanor Rigby” (1966), “Here, There and Everywhere” (1966) e em “She’s Leaving Home” (1967).

Uma apresentação de Concertos de Brandenburgo, de Bach, mostrada na televisão britânica na época, inspirou McCartney a usar o flautim no arranjo de “Penny Lane”. Os Beatles desenvolveram o rock psicodélico com “Rain” e “Tomorrow Never Knows” de 1966, e “Lucy in the Sky with Diamonds”, “Strawberry Fields Forever” e “I Am the Walrus” de 1967.

A reunião de música pop com música erudita, presente em “Yesterday”, em que os Beatles gravaram rock and roll com acompanhamento de uma orquestra de câmara foi pioneira.

Um fator com maior e melhor prestígio ainda está presente em “A Day in the Life”, a primeira canção de rock a ser acompanhada por uma orquestra sinfônica. Presente em Sgt.Pepper, a faixa impressionou pelos barulhos e sons estranhos no meio da canção, porque, até então, nada havia de parecido na história do rock and roll.

Hasta lá vista, baby!

(*) E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 
Legado - Evolução musical – Parte 1

A constante busca dos Beatles em criar novos sons a cada gravação, combinada com as habilidades presentes nos arranjos de George Martin e, particulamente, com os conhecimentos técnicos da equipe do estúdio da EMI - como os produtores Norman Smith, Ken Townsend e Geoff Emeric - fez com que a banda influenciasse a forma como a música passou a ser gravada em vários sentidos.

O conjunto dessas produções são apresentados em álbuns como Rubber Soul (1965), Revolver (1966) e Sgt. Pepper’s Lonely Hearts Club Band (1967).

Os Beatles continuaram a absorver influências mesmo depois de seus primeiros sucessos, encontrando freqüentemente novas avenidas musicais e líricas escutando seus contemporâneos. As influências musicais incluem The Byrds e The Beach Boys, cujo álbum Pet Sounds foi um dos preferidos de McCartney. George certa vez comentou que "Sem Pet Sounds, Sgt. Pepper não teria existido... Pepper foi uma tentativa de igualar Pet Sounds."

Outra influência da banda foi Elvis Presley, que Lennon chamou de faísca porque ele o fez se interessar pela música:

 

"Foi Elvis quem realmente me levou a comprar discos. Eu achava seus primeiros materiais ótimos. A era de Bill Haley passou perto de mim, de certa forma, pois quando suas gravações apareceram nas rádios, minha mãe começou a ouvi-los, mas não senti nada de especial por eles. Foi Elvis quem me fez ficar viciado no gênero de música beat. Quando ouvi seu ‘Heartbreak Hotel’, pensei: ‘isso é o que é’." Pontuou Lennon. (Continua...)

 Hasta lá vista, baby!
 (*) E-mail: Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 
Fizeram a gente acreditar...(*)

“Fizeram a gente acreditar que amor mesmo, amor pra valer, só acontece uma vez, geralmente antes dos 30 anos.

Não contaram pra nós que amor não é acionado, nem chega com hora marcada.

Fizeram a gente acreditar que cada um de nós é a metade de uma laranja, e que a vida só ganha sentido quando encontramos a outra metade.

Não contaram que já nascemos inteiros, que ninguém em nossa vida merece carregar nas costas a responsabilidade de completar o que nos falta: a gente cresce através da gente mesmo.

Se estivermos em boa companhia, é só mais agradável.

Fizeram a gente acreditar numa fórmula chamada “dois em um”: duas pessoas pensando igual, agindo igual, que era isso que funcionava.

Não nos contaram que isso tem nome: anulação.

Que só sendo indivíduos com personalidade própria é que poderemos ter uma relação saudável.

Fizeram a gente acreditar que casamento é obrigatório e que desejos fora de hora devem ser reprimidos.

Fizeram a gente acreditar que os bonitos e magros são mais amados, que os que transam pouco são caretas, que os que transam muito não são confiáveis, e que sempre haverá um chinelo velho para um pé torto.

Só não disseram que existe muito mais cabeça torta do que pé torto.

Fizeram a gente acreditar que só há uma fórmula de ser feliz, a mesma para todos, e os que escapam dela estão condenados à marginalidade.

Não nos contaram que estas fórmulas dão errado, frustram as pessoas, são alienantes, e que podemos tentar outras alternativas.

Ah, também não contaram que ninguém vai contar isso tudo pra gente.

Cada um vai ter que descobrir sozinho.

E aí, quando você estiver muito apaixonado por você mesmo, vai poder ser muito feliz e se apaixonar por alguém.”

(*) Texto de John Lennon


Hasta lá vista, baby!

(*) Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 
1970-Presente: Pós-fim – Última Parte

Em fevereiro de 1994, os três Beatles – Paul, George & Ringo – ainda vivos se reuniram para produzirem e gravarem canções adicionais para algumas gravações que eram de Lennon.

Uma dessas canções, “Free as a Bird” estreou como parte da série de documentários The Beatles Anthology e lançada como compacto em dezembro de 1995, seguida de “Real Love” em março de 1996.

Essas canções também foram incluídas nas três coleções de álbuns da Anthology, lançados em 1995 e 1996, cada uma composta por dois CDs de um material inédito dos Beatles, nunca lançado antes.

Klaus Voormann, que tinha conhecido os Beatles desde a excursão em Hamburgo, e que tinha anteriormente ilustrado a capa do Revolver, dirigiu a concepção da capa do Anthology.

Cerca de 45 mil exemplares do Anthology 1 foram vendidos em seu primeiro dia de lançamento.

Em 2000, surgiu a compilação One, contendo quase todas as canções da banda de 1962 a 1970. A coleção vendeu 3,6 milhões de cópias em sua primeira semana e mais de 12 milhões de euros em três semanas em todo o mundo.

A coleção também chegou ao primeiro lugar nos Estados Unidos e em outros 33 países, e tinha vendido 25 milhões de cópias em 2005 (tornando-se o nono álbum mais vendido de todos os tempos).

Em finais de 1990, Harrison foi diagnosticado com câncer de pulmão e, desde então, lutou contra a doença, porém sucumbiu a ela em 29 de novembro de 2001. (esta triste história nós também vamos contar mais à frente ok?)

Em 2006, George Martin e seu filho Giles Martin remixaram algumas gravações originais dos Beatles com o objeto de criar uma trilha sonora na produção teatral do Cirque du Soleil, intitulada LOVE.

Em 2007, McCartney e Starr uniram-se para uma entrevista no Larry King Live e falaram sobre seus pensamentos em relação à essa apresentação e a outros momentos da carreira de ambos; as viúvas Yoko Ono e Olivia Harrison também apareceram com os dois únicos ex-Beatles restantes em Las Vegas, para a comemoração de um ano da apresentação.

 

QUERO DESEJAR A TODOS QUE ACOMPANHARAM AS HISTÓRIAS DOS NOSSOS MENINOS DE LIVERPOOL NESTE ANO QUE TERMINA, UM FELIZ NATAL E UM PRÓSPERO ANO DE 2010, COM MUITO AMOR E PAZ EM NOSSOS CORAÇÕES E PRINCIPALMENTE COM A FORÇA DE DEUS PAI !

Hasta lá vista, baby!

Este endereço de e-mail está protegido contra spambots. Você deve habilitar o JavaScript para visualizá-lo.

 
1970-Presente: Pós-fim – Parte 2

John Lennon foi morto a tiros em 8 de dezembro de 1980 por Mark David Chapman em Nova Iorque. (mais pra frente vamos contar em detalhes este triste episódio)

Em maio de 1981, George Harrison lança All Those Years Ago, compacto que fala sobre seu tempo com os Beatles e homenageia Lennon.

Conta com a participação de McCartney, Ringo e Linda McCartney.

Em abril de 1982, Paul lança o álbum Tug of War, que inclui um som em tributo à John, chamado “Here Today”.

Em 1988, os Beatles foram incluídos no Hall da Fama do Rock and Roll durante seu primeiro ano de eligibilidade.

Na noite de sua indução, George e Starr apareceram para aceitar sua adjudicação, juntamente com a viúva Yoko Ono Lennon e seus dois filhos.

McCartney permaneceu longe, comunicando à imprensa que estava “resolvendo dificuldades” com Harrison, Starr e com as propriedades de Lennon. (continua)

Hasta lá vista, baby!

(*) E-mail: ronildobacardy@ yahoo.com.br

 

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 Próximo > Fim >>

Página 1 de 5