Padre Efraim faleceu aos 98 anos

Com 72 anos de ordenação sacerdotal e envolvido em muitas das causas das camadas mais vulneráveis da sociedade, morreu nesta quarta-feira (13) o padre Efraim Solano Rocha, aos 98 anos. Em função de sua importância na história da cidade, o prefeito de Ipatinga, decretou luto oficial de três dias no município. Além disso, foi determinado pelo Executivo que o pároco recebesse honras atribuídas as autoridades, com sepultamento em área especial reservada, no cemitério Parque Senhora da Paz.

Embora tenha nascido na cidade de Diego Vasconcellos (MG), na Região da Estrada Real, padre Efraim adotou Ipatinga como sua segunda terra natal, liderando no município vários projetos e ações em nome da igreja Católica por mais de 40 anos. Bastante debilitado, nos últimos sete dias ele se encontrava internado com quadro de pneumonia. O óbito aconteceu às cinco horas da manhã desta quarta. Padre Efraim fez parte da história de Ipatinga, por sua atuação na vida religiosa e social da cidade.

História de Padre Efraim

Efraim Solano Rocha nasceu em Diogo de Vasconcelos-Mariana, aos 24 de julho de 1921. É o quinto filho do casal Efraim Lázaro Rocha e Maria Gomes Rocha, ambos de Mariana.

Recém-casados, seus pais migraram para Diogo de Vasconcelos em busca de melhores oportunidades de trabalho e lá tiveram seis filhos. A filha caçula, sétima do casal, nasceu em Mariana, quando senhor Efraim Lázaro e dona Maria Gomes retornaram para a cidade. Seu pai, comerciante, faleceu em 1924, aos 40 anos, tendo Efraim nesta época somente três anos. Sua mãe, aos 40 anos, tendo sete filhos, três homens e quatro mulheres, ainda de resguardo da filha caçula, trabalhou duro em prol dos filhos como costureira e lavadeira de roupas. Foi auxiliada pelo filho mais velho José Maria, Zezeu como era chamado pela família, que com apenas 11 anos, ajudou financeiramente a família, assumindo a missão de pai dos irmãos. Sua mãe, dona Maria Gomes faleceu em 1976.

Efraim em 1928, aos sete anos, entrou para o grupo escolar Dr. Gomes Freire, em Mariana. Neste mesmo ano fez sua primeira comunhão na Sé Catedral em Mariana onde também recebeu a Crisma.

Foi coroinha da Igreja das Mercês, na missa das 6h, auxiliando o Cônego Braga. Também como menino do coro e depois sacristão menor, auxiliava as celebrações na Sé de Mariana.

Aos 14 anos, em 1935, ingressou no Seminário Menor Nossa Senhora da Boa Morte, onde cursou o propedêutico, ginasial e clássico. Aos 20 anos, em 1941, ingressou no Seminário Maior São José, onde estudou Filosofia e Teologia, sendo formado pelos padres lazaristas. Tudo isto em Mariana.

Recebeu as Ordens Sacras do Arcebispo de Mariana Dom Helvécio Gomes de Oliveira, sendo ordenado sacerdote pelo mesmo arcebispo em 30 de novembro de 1947, aos 26 anos, na Sé Catedral de Mariana.

Padre Efraim teve sua trajetória sacerdotal iniciada em 1947 como vigário substituto nas cidades de Barão de Cocais, Barbacena, Itabira e Abre Campo, permanecendo a serviço destas comunidades pelo período de dois anos. Retornando a Mariana, lecionou Latim, Francês, Português e Química no Seminário Menor Nossa Senhora da Boa Morte pelo período de dois anos, além de auxiliar o pároco celebrando nas pequenas comunidades aos domingos. Durante as férias escolares, formou um coral de jovens que cantava nas missas dominicais em várias igrejas da cidade.

Em Ouro Preto, onde permaneceu aproximadamente por um ano e meio, lecionou Latim, Religião e Francês no Colégio Arquidiocesano de Ouro Preto e auxiliava espontaneamente o pároco da Paróquia Nossa Senhora do Pilar.

Em seguida, em 1954, foi nomeado pároco em Urucânia. Lá ficou oito anos. Durante sua estada nesta cidade, construiu o Cruzeiro Iluminado e fez a terraplanagem do terreno para construção do Santuário Nossa Senhora das Graças. Construiu a casa e o salão paroquial.

Em 1962 foi para Viçosa. Lá permaneceu por dois anos, recebendo a provisão de pároco substituto, onde fundou a Banda de Música Santa Rita.

Nomeado pároco de Nova Era, em 1964, lá permaneceu até 1976. Neste ínterim foi criada a nossa Diocese de Itabira-Cel.Fabriciano, em 1965. Em Nova Era, promoveu o desmanche do Morro do Pau d’Óleo com a finalidade de construir uma nova matriz. Na Paróquia São José da Lagoa, criou o museu Histórico Religioso, o asilo São José e instituiu a encenação da Semana Santa. Neste tempo também atendia a Bela Vista de Minas que pertencia a Nova Era.

Veio para Ipatinga no ano de 1976, para experimentar um novo tipo de apostolado: trabalhou na USIMINAS por nove meses com relações públicas a título de experiência, mas continuou celebrando aos domingos na Paróquia Cristo Rei auxiliando o padre José Miranda. Concluída essa experiência, recebeu provisão de pároco em Vila Tanque na Paróquia Nossa Senhora de Fátima, na Cidade de João Monlevade onde esteve por um ano. Retornou à Ipatinga em 1977, sendo vigário cooperador da Paróquia Cristo Rei. Em 1981, tornou-se pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus no Cariru.

Permaneceu como pároco da Paróquia Sagrado Coração de Jesus durante 27 anos. Neste período, construiu a Igreja Matriz do Cariru, com a ajuda da USIMINAS. Também lecionou Latim no Seminário Diocesano São José, em João Monlevade. Fundou o pré-seminário.

Foi nomeado Capelão do Hospital Márcio Cunha, fundou a Creche Sagrado Coração de Jesus no mesmo bairro, criou a Associação das Vovós “Mãos de Fadas”, nos bairros Cariru e Vila Ipanema, orientou e incentivou a fundação da Comunidade Senhor do Bonfim no bairro Cidade Nobre. Juntamente aos vicentinos, direcionou e acompanhou o processo de construção do Lar Divina Providência no bairro Iguaçu. Participou da fundação do Centro de Recuperação Fazenda Água Viva no bairro Forquilha e prestou atendimento aos internos. Criou o Carnaval com Jesus no clube Aciaria no bairro Cariru, participou da criação da Academia Ipatinguense de Letras, esteve presente e incentivou a criação das Comunidades Deus Existe e Cordeiro de Deus.

Em 1999, aos 78 anos de idade, como padre emérito, trabalhou espontaneamente em unidade com o padre José Miranda da Paróquia Nossa Senhora Aparecida. Muito ajudou na comunidade Senhor do Bonfim, incentivou a construção da nova igreja (instituindo algumas devoções como a oração da laudes e adoração ao Santíssimo Sacramento, a Devoção a São José, e o Terço dos Homens). Trabalhou muito com o padre Geraldo Reis, na Paróquia Nossa Senhora Aparecida, celebrando a Eucaristia diariamente, junto a outras devoções, incentivando a vida de um santuário na Igreja Senhor do Bonfim.

Durante sua vida sacerdotal, padre Efraim dedicou-se à autoria dos livros: Ditos e Ditados, Explicação dos Ditos e Ditados, Urucânia Graciosa e Lembranças de Mariana - Lendária Cidade. Além das obras citadas, escreveu centenas de artigos em diversos jornais e revistas da cidade de Ipatinga. É sócio fundador da Academia Marianense de Letras.

Durante seus 72 anos de vida presbiteral, algumas homenagens foram prestadas ao padre Efraim. Dentre elas recebeu os títulos de Cidadão Honorário de Viçosa, Urucânia, Nova Era e Ipatinga. A Comunidade Deus Existe, reconhecendo a grandeza de suas realizações e sua vida dedicada à evangelização, através do seu fundador Elton Pimentel, criou o Centro de Evangelização Padre Efraim Solano Rocha. Padre Efraim sempre dizia que mais importante que as obras é o Reino de Deus “Procurai o Reino de Deus e a sua justiça e tudo mais vos será acrescentado” (Mt 6, 33).

Rendemos Graças a Deus pelos seus 72 anos de vida presbiteral: vida de fidelidade a Cristo e fidelidade à Igreja. Louvado seja Deus por tão fecundo ministério para o bem da Igreja, salvação das almas e crescimento do reino.