Banner

Geral


Conselho do Esporte é empossado

Ipatinga deu mais um passo para garantir a implantação de políticas públicas nas áreas de esporte e lazer. Nesta terça-feira-9, o prefeito Robson Gomes (PPS) e o secretário de Cultura, Esporte e Lazer, Cemário Campos, empossaram os novos membros do Conselho Municipal de Esporte (Comel). O grupo é composto por atletas, dirigentes esportivos, representantes da 3ª Idade, entre outros e irá fiscalizar as políticas públicas no município durante o biênio 2010/2012.

Na ocasião também foi eleita a Secretaria Executiva do Conselho, composta pelo presidente Cemário Campos, vice-presidente Gilton Pascoal e o pelo secretário geral Domingos Ferreira Neto (Netinho). Uma das atribuições do Conselho para este ano é a organização e realização da 3ª Conferência Municipal de Esporte, que acontece no dia 27/3, no Centro Esportivo e Cultural 7 de Outubro. O órgão tem ainda a finalidade de formular, implementar, acompanhar, avaliar e fiscalizar as atividades desportivas e de lazer no município, Além de opinar sobre as prioridades de investimento da Secretaria Cultura, Esporte e Lazer.

Robson Gomes destacou que o Conselho tem o papel de estabelecer as diretrizes da prática esportiva, por isso a importância da participação efetiva dos conselheiros. “É fundamental o envolvimento dos conselheiros nas reuniões, pois durante esses encontros são discutidos o desenvolvimento e o fortalecimento do esporte em nosso município”. O prefeito acrescentou que a administração tem trabalhado muito para que o esporte esteja no dia-a-dia das pessoas, melhorando a qualidade de vida e descobrindo talentos. “Para isso precisamos estar em sintonia e que os projetos obtenham cada vez mais sucesso. Por isso, o Conselho conta com a participação dos desportistas de todas as áreas”, disse.

Cemário Campos, reiterou que uma das principais funções do Conselho durante este mandato é a elaboração das leis do Fundo Municipal e a criação da Lei de Incentivo ao Esporte nos mesmos moldes da Lei de Incentivo a Cultura. “Queremos criar a Lei de Incentivo ao Esporte porque o dinamismo é muito maior para a captação de recursos, pois não fica limitado apenas ao orçamento municipal. Vamos amadurecer esse projeto e discutir com todos os segmentos envolvidos. Assim o projeto pode ser bem elaborado e encaminhado à Câmara Municipal para aprovação”, anunciou Cemário.

 

Conferência Municipal

A Prefeitura de Ipatinga, por meio da Secretaria de Cultura, Esporte e Lazer, realiza no dia 27 (sábado) a 3ª Conferência Municipal de Esporte e Lazer, no ginásio Ely Amâncio, no Centro Esportivo e Cultural 7 de Outubro, no bairro Veneza I, de 8h às 17h. Serão debatidos 10 temas específicos sobre a linha estratégia que deve ser adotada pelos governantes, no sentido de garantir o desenvolvimento do esporte e do lazer do país para os próximos 10 anos. Durante o evento também serão eleitos os delegados que irão representar Ipatinga nas Conferências Estadual e Federal.

 
Cassação mantida

O Tribunal Superior Eleitoral manteve por 5 votos a 2 a cassação do segundo colocado na eleição de Ipatinga, Sebastião Quintão (PMDB) e seu vice, Altair Vilar (PSB). Depois de ser adiado desde dezembro, o julgamento dos Recursos Especiais Eleitorais 36.717 e 36.737, foi concluído na noite de quinta-feira (11). Com os recursos Quintão e Vilar tentaram, sem sucesso, reverter a cassação de seus mandatos por abuso do poder político e do poder econômico no episódio do programa Morar Melhor, em que eleitores foram pressionados a apoiar candidatos da coligação Movimento Ipatinga Unida, de Quintão, sob risco de perderem a reforma de suas casas. Após a publicação do acórdão, o processo volta para o TRE, que marcará novas eleições.

 
Os reflexos do crescimento desordenado na região

O desenvolvimento cada vez mais rápido dos espaços urbanos aliado às mudanças climáticas forma uma perfeita combinação para os constantes problemas como falta freqüente de energia e de água em determinados locais da região. No caso de Ipatinga, mais especificamente, esse quadro se torna ainda mais delicado com a proibição que o Ministério Público impôs a administração municipal de liberar novos alvarás para construção de prédios por que faltam leis complementares do Plano Diretor. Página 03.

 
Unipac é proibida pelo MEC de abrir novos cursos

O Ministério da Educação (MEC) proibiu quatro universidades particulares do país, duas delas de Minas, de aumentar o número de cursos e de vagas. A suspensão foi determinada em portaria publicada nesta semana no Diário Oficial da União (DOU). Uma delas é a Universidade Presidente Antônio Carlos (Unipac), com campus no Vale do Aço. A medida atinge anda a Universidade Fundação Mineira de Educação e Cultura (Fumec), a Universidade Salgado de Oliveira (Universo), do Rio de Janeiro e o Centro Universitário Luterano de Manaus. Segundo o MEC, as instituições de ensino enquadradas não cumpriram ou não informaram, dentro do prazo estabelecido pelo governo federal, os percentuais mínimos exigidos de professores com dedicação em tempo integral e com títulos de mestrado e doutorado no corpo docente.

De acordo com a portaria, será suspensa a autonomia das instituições enquanto corre o processo, ou seja, elas ficam impedidas de criar cursos e ampliar o número de vagas sem a autorização do ministério. Ano passado, a Secretaria de Educação Superior do MEC notificou 35 instituições de ensino superior por irregularidades na composição do corpo docente. Essas instituições tiveram um prazo para cumprir as regras para o corpo docente. Como a determinação não foi cumprida, o MEC abriu processo para suspender a autonomia das universidades. A partir de agora, as instituições terão prazo de 15 dias, a contar da data da notificação, para apresentar defesa.

A Universidade Presidente Antônio Carlos (Unipac Vale do Aço), integrante da rede Unipac, com sede em Barbacena, esclareceu, por meio de nota, que suas unidades de Ipatinga e Timóteo têm atendido aos percentuais de docentes com titulação acadêmica exigidos pelo MEC. Em âmbito federal, o grupo Unipac vem tomando todas as medidas necessárias para a devida adequação em seu corpo docente, de acordo com entendimentos mantidos com o MEC.

 
Apesar do acórdão, Timóteo continua na indefinição política

A população de Timóteo continua nas mãos da Justiça em relação a troca de comanda do município. O esperado acórdão sobre a cassação dos mandatos do prefeito Geraldo Hilário (PSB) e do vice, Wander Izaías (DEM), foi publicado no início da semana pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE), mas não define a posse do segundo colocado nas eleições de 2009, Sérgio Mendes (PSB) e do seu vice Marcelo Ricardo Afonso da Silva (PR). A posse deles só deve acontecer após a definição sobre os embargos, ou seja, dentro de 15 dias.

Enquanto isso, Geraldo Hilário permanece à frente da administração municipal. Ele é acusado de abuso de poder político e econômico na campanha da reeleição, com a autorização irregular de exames médicos, distribuição de combustível e captação ilegal de votos. O prefeito cassado alega que na condição de médico liberou os exames por tratar-se de uma questão emergencial e se precisasse “faria tudo de novo”. Hilário afirmou que vai recorrer da decisão. Do outro lado, Sérgio Mendes que adiou o anúncio de sua equipe de governo marcada para a última sexta-feira (5), disse que não tem pressa, mas ficará alerta para que a demora não o impeça de assumir por força de liminar.

 
<< Início < Anterior 1 2 3 4 5 6 7 8 9 10 Próximo > Fim >>

Página 10 de 48