Banner
Moradores do Vila Ipanema ainda não podem usar poços artesianos

Os moradores do bairro Vila Ipanema continuam proibidos de usar a água dos poços artesianos ou cisternas. É o que aponta a primeira etapa do relatório sobre a poluição por benzeno no lençol freático do bairro Vila Ipanema. A investigação é feita pelo Ministério Público, uma equipe da Universidade Federal de Ouro Preto e pela própria Usiminas, que possivelmente foi a responsável pela contaminação. Conforme comunicado emitido pelo promotor Walter Freitas de Moraes Júnior, o relatório indica que não há fluxo de agentes contaminantes em direção a outros bairros de Ipatinga e simula os efeitos das ações de remediação da contaminação. O monitoramento do ar não detectou a presença de gases tóxicos, o que indica a contenção da contaminação no lençol freático sem riscos de exposição da população aos compostos contaminantes.

Enquanto o relatório não é concluído a Usiminas vai pagar a conta de água para os moradores que possuem cisterna ou poços. Alguns reclamam que ainda não se acostumaram com a água oferecida pela Copasa. Mas ainda não há previsão para inicio do processo de descontaminação, o que depende de estudo para identificação da melhor técnica para acelerar a degradação do agente contaminante. O promotor informou que ainda não há previsão para conclusão do relatório, e enquanto isso a Usiminas fica responsável por custear os gastos com água dos moradores impossibilitados de usar suas fontes alternativas.

 
14 Batalhão

 
Comunidade do Novo Cruzeiro questiona e Samu explica atendimento

Um acidente com uma idosa no bairro Novo Cruzeiro levantou alguns questionamentos na comunidade sobre os pré-requisitos para o atendimento do Samu. O presidente a Associação de Moradores do Bairro Novo Cruzeiro (Ambanoc), Eziel de Assis Viana, informou que a vítima levou uma pedrada na perna que quebrou o seu fêmur. Mas ela não foi atendida pelo Samu. “Acionamos o Samu várias vezes, mas eles se negaram a ir ao local enquanto a polícia não chegasse. No final das contas, ela foi levada para o hospital de caminhão”, contou Eziel. Ele falou que o fato gerou discussões na comunidade. “Isso levantou muita polêmica no bairro. É preciso debater os procedimentos do Samu”, questionou o presidente.

Ao ser procurado pelo Classivale, o Samu informou por meio de nota da assessoria de imprensa da Prefeitura de Ipatinga que presta um serviço altamente qualificado e bem aceito pela população. A coordenadora do Samu de Ipatinga, Ana Rosa explicou que a prioridade dos atendimentos são para casos mais graves. A coordenadora do SAMU, Ana Rosa orienta que a comunidade ao ligar para o serviço especifique bem o que ocorre no momento do fato, tendo em vista que o médico regulador filtra s ligações por meio dos pedidos. Atualmente o serviço em Ipatinga dispõe de quatro veículos, sendo uma ambulância de atendimento avançado que é tripulada por um motorista-socorrista, um médico, um enfermeiro, um técnico de enfermagem e três ambulâncias de atendimento básico tripuladas por um motorista-socorrista, e dois técnicos de enfermagem. O telefone do Samu é 192.

 

O Samu deve ser acionado quando:

- Na ocorrência de problemas cardio-respiratórios/infarto/AVC

- Em casos de Intoxicação exógena

- Em caso de queimaduras graves

- Na ocorrência de maus tratos

- Em trabalhos de parto onde haja risco de morte da mãe ou do feto

- Em casos de tentativas de suicídio

- Em crises hipertensivas

- Quando houver acidentes/trauma com vítimas

- Em casos de afogamentos

- Em casos de choque elétrico

- Em acidentes com produtos perigosos

- Na transferência inter-hospitalar de doentes com risco de morte

 
<< Início < Anterior 31 32 33 34 35 36 Próximo > Fim >>

Página 35 de 36

Publicidade

ot visao.jpg