Quinta, 20 de Junho de 2024
17°

Tempo limpo

Ipatinga, MG

Jornal Classivale Denúncia

Câmara de Ipatinga é denunciada por irregularidades na contratação de assessores

Autor da denúncia, chama a atenção para a tentativa de burlar a lei e o risco de funcionários serem usados como cabos eleitorais nas próximas eleições municipais durante o expediente de trabalho.

24/04/2024 às 11h23 Atualizada em 24/04/2024 às 11h58
Por: Jornal Classivale
Compartilhe:
Câmara de Ipatinga é denunciada por irregularidades na contratação de assessores

Vereadores de Ipatinga poderão ter privilégios nas tentativas de reeleição, incluindo cabos eleitorais remunerados com dinheiro público. A afirmativa é parte de uma denúncia que foi formalizada pelo Partido dos Trabalhadores junto ao Ministério Público. O documento protocolado em 14 de abril questiona a possível “manobra” realizada pela Câmara para driblar uma condenação de 2012, quando o Ministério Público determinou em Ação Civil Pública, no Processo nº 5004420-59.2020.8.13.0313, que o quadro de servidores comissionados fosse reduzido a 50% do número de servidores efetivos.

Em 2023, a Casa Legislativa realizou processo licitatório e contratou a empresa brasiliense G&E Serviços Terceirizados Ltda, com a missão de executar a “prestação continuada de serviços de apoio administrativo com dedicação e exclusiva de mão de obra, a serem executados na presidência, gabinetes e no Centro de Atenção ao Cidadão (CAC) da Câmara Municipal”, de acordo com o objeto do edital. O investimento envolveu o valor global de R$ 3.579.990,24 (três milhões quinhentos e setenta e nove mil novecentos e noventa reais e vinte e quatro centavos), para a contratação de 73 pessoas. Exatamente o mesmo número de assessores que foram exonerados na adequação orientada pelo MPMG.

Para o presidente interino do PT de Ipatinga, Claudio Roberto Oliveira, a preocupação não é tanto pelo valor do contrato e sim com o uso da máquina pública. “A estratégia adotada deixa nítida a tentativa de enganar o MP e ainda bancar campanhas com dinheiro público. Já que os vereadores continuam podendo indicar os contratados que estarão em seus gabinetes. A diferença é que agora não recebem diretamente da Câmara”, criticou o presidente.

Claudio ainda alertou que é preciso considerar que a esses terceirizados não se aplicam as leis que regem os servidores públicos, já que possuem carteira assinada. Deste modo, os funcionários podem ser usados pelos vereadores e presidente da Câmara como meros cabos eleitorais nas próximas eleições municipais durante o expediente de trabalho. A suspeita se fortalece ainda mais com a leitura do Termo de Referência utilizado para o processo licitatório. No documento consta que “é permitido, de acordo com o interesse e demanda, alterar, acrescentar ou extinguir locais de trabalho dos contratados, mediante comunicado à Contratada”.

A denúncia é finalizada com questionamentos quanto à legalidade do ato. “Já que ao contratar 73 pessoas por meio de terceirização, cada vereador e presidente permanece com o antigo número de funcionários em seus gabinetes, não fica caracterizada uma forma de burlar uma decisão judicial?”

O documento ainda questiona se pode a Câmara Municipal remunerar funcionários para ficarem a disposição de vereadores, sem que sejam regidos por leis que doutrinam os servidores públicos? Por fim, a denúncia, encaminhada pelo Partido pede que sejam tomadas as providências cabíveis para apuração dos fatos.

  • A Câmara de Ipatinga informa que  ainda não foi notificada desta referida ação.

 

Siga no Instagram @jornalclassivale CLIQUE AQUI

Quer receber as notícias do Jornal Classivale via WhatsApp? CLIQUE AQUI

 

Jornal Classivale

Siga as redes sociais:

@jornalclassivale

                   

Anúncio

* O conteúdo de cada comentário é de responsabilidade de quem realizá-lo. Nos reservamos ao direito de reprovar ou eliminar comentários em desacordo com o propósito do site ou que contenham palavras ofensivas.
500 caracteres restantes.
Comentar
Mostrar mais comentários
Ele1 - Criar site de notícias